Res 4755/19 – Obrigatório ou não?

Recentemente, o Banco Central autorizou, através da Res 4755/19, a composição de dívidas rurais de custeio ou investimento contratadas até 28 de dezembro de 2017. Uma dúvida bastante recorrente que tem chegado até nós é se os bancos são obrigados ou não a fazer essa composição/alongamento de dívidas rurais.

Entenda o que é a Resolução 4755 e quais o primeiros passos, clique aqui.

Pontos de vista opostos – ao judiciário

A questão é bastante controvertida e divide opiniões. Desde a época da lei 9.138/95 (Securitização e PESA), e a cada nova Resolução ou lei autorizadora, o debate é reaberto. De um lado, advogados e gerentes de instituições financeiras dizem que “é facultativo”, cabendo aos bancos aceitarem ou não a prorrogação. De outro lado, advogados que defendem produtores rurais entendem que as instituições financeiras são obrigadas a conceder o alongamento, com base nas leis que compõem o crédito rural e precedentes judiciais.

Quando há o embate entre estes dois pontos de vista, completamente antagônicos, a solução acaba sendo o judiciário. Hoje, a tendência dos Tribunais, tendo em vista os precedentes, é de que as instituições financeiras são sim obrigadas a conceder o alongamento pretendido, desde que o produtor rural demonstre que cumpriu todos os requisitos que a norma do Banco Central exige.

Aplicando ao caso da resolução 4755/2019

Com a Res 4755/2019, a resposta não parece ser diferente. Embora seja um normativo novo, há precedentes que podem ser aplicados ao caso, inclusive do próprio Superior Tribunal de Justiça (STJ), a fim de obrigar as instituições financeiras a conceder o alongamento de dívidas rurais pleiteado.

O produtor rural deve estar atento, todavia, ao fato de que uma demanda judicial envolve questões interpretativas, que podem ser diferentes de um juiz ou de Tribunal para com o outro. Além do mais, cumpre ao produtor demonstrar o cumprimento dos requisitos da Resolução, o que geralmente acaba sendo o problema se não for feito de forma adequada.

Tobias Marini de Salles Luz – advogado na Lutero Pereira & Bornelli – advogados associados. Contato: [email protected] / www.pbadv.com.br

Notifique-me
Avise-me de
guest
1 Comentário
mais novos
mais antigos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments

Navegação Rápida

O Direito Rural
sempre com você

Participe dos grupos de WhatsApp e Telegram
e receba nossos novos artigos e novidades!

Newsletter

Quer encontrar outro artigo?

Clique no botão abaixo e busque o artigo que desejar

NOSSOS ESPECIALISTAS

Profissionais experientes no Direito do Agronegócio, prontos para lhe atender

Dr. Lutero de Paiva Pereira

Dr. Lutero de Paiva Pereira

Advogado

Autor de várias obras no campo do direito do agronegócio. Parecerista e conferencista. Membro do Comite Europeu de Direito Rural.

Currículo Lattes.

Contato: [email protected]

Dr. Wagner Pereira Bornelli

Dr. Wagner P. Bornelli

Advogado

Responsável pelo setor processual do escritório. Atua no ramo do agro, empresarial, civil e contratos.

Contato: [email protected]

dr-paulo

Dr. Paulo de Tarso R. Castro

Advogado

Atuação destacada na área processual civil, contratual, agrária e empresarial.

Contato: [email protected]

dr-adriano

Dr. Adriano R. Patussi

Advogado

Atuação destacada em direito do consumidor, civil, empresarial, tributário e processual civil.

Contato: [email protected]

Dr. Tobias Marini de Salles Luz

Dr. Tobias M. de Salles Luz

Advogado

Atua na área do agronegócio, civil, contratual e consumidor. Fundador do blog Direito Rural.

Currículo Lattes.

Contato: [email protected]

IMG_8034

Dra. Rachel Vieira Pereira

Advogada

Atuação em direito bancário e civil.

Julio César Nascimento Bornelli

Julio César N. Bornelli

Estagiário

Estudante de Direito (UEM/PR). Gestor do blog Direito Rural.

O Direito Rural
sempre com você

Participe dos grupos de WhatsApp e Telegram
e receba nossos novos artigos e novidades!

Newsletter