Pesquisar

Requisitos para despejo em arrendamento rural

Qual é o conteúdo deste artigo?

O exemplo é simples e bastante corriqueiro: proprietário de imóvel rural mantém contrato com arrendatário, que, por sua vez, não paga o valor do arrendamento. Visando retomar a terra, o proprietário contrata advogado e ajuíza ação de despejo contra o arrendatário, pedindo que o juiz, de plano, decida pelo despejo imediato do arrendatário e devolva a terra ao seu dono.

Apesar de parecer um caso normal e de simples resolução, é importante que o produtor (e seu advogado) observe alguns requisitos antes de ajuizar a ação de despejo, principalmente visando a melhor efetividade de sua ação judicial – o que deve ser objetivo de todo advogado. Um desses requisitos diz respeito à prévia notificação do arrendatário para pagamento do montante em atraso.

Conforme o entendimento do STJ, nas ações de despejo de arrendamento rural fundadas na inadimplência dos arrendatários, a prévia notificação é dispensável para o ajuizamento da ação (REsp n. 979.530/MT).

Contudo, em fevereiro/2023, o TJGO apresentou um interessante posicionamento ao julgar a concessão da medida liminar de despejo requerida pelo proprietário, in verbis: “caso haja formulação de pedido de tutela provisória de urgência, visando a imediata desocupação do imóvel, tal como ocorre no caso vertente, é imprescindível a prévia notificação dos devedores, a fim de resguardar-lhes o direito legalmente conferido à purgação da mora e manutenção do contrato de arrendamento”.

Em outras palavras, o que o TJGO entendeu é que, via de regra, a prévia notificação ao arrendatário é dispensável para a proposição de ação de despejo. Contudo, se o arrendador busca a concessão da medida liminar de despejo do arrendatário, ele precisa comprovar que realizou esta prévia notificação e que o prazo de resposta se escoou sem o pagamento.

Trata-se de um importante precedente para quem atua no agronegócio e que pode trilhar seu caminho até o STJ e outros Tribunais. Para conferir a ementa desta decisão, acesse o DRJuris, a ferramenta de jurisprudência selecionada do Direito Rural.

Esta decisão foi enviada, em primeira mão, aos assinantes do Radar Jurisprudencial no dia 03/03/2023!

Se você quer ficar por dentro desta e de outras decisões relevantes para o agronegócio, conheça o Radar Jurisprudencial do DRJuris. Às sextas pela manhã, enviamos uma seleção com diversos acórdãos relevantes para o direito do agronegócio, proferidos na última semana e selecionados por nossos especialistas.

Com o DRJuris, você também pode encontrar, com precisão, o entendimento necessário para o seu caso, além de outras linhas jurisprudenciais relevantes. São mais de 1.450 acórdãos manualmente selecionados e classificados em temas e subtemas!

Tobias Marini de Salles Luz – advogado (OAB/PR 43.834) na Lutero Pereira & Bornelli – advogados associados. Contato: (44) 9 9158-2437 (whatsapp)tobias@direitorural.com.brwww.pbadv.com.br

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Qual é o conteúdo deste artigo?

O Direito Rural
sempre com você

Participe dos grupos de WhatsApp e Telegram
e receba nossos novos artigos e novidades!

Newsletter

Quer encontrar outro artigo?

Clique no botão abaixo e busque o artigo que desejar

Inscreva-se para receber nossos e-mails

Receba novos artigos e novidades também pelo WhatsApp e Telegram