Plano Safra e a Falta de Fixação dos Juros para os “Recursos Livres”

Norma do Banco Central que estabelece a obrigatoriedade da aplicação de recursos da LCA no crédito rural não cumpre a determinação legal de fixar juros, o que trará insegurança jurídica.

A Resolução n. 4415, tratada como grande inovação no atual Plano Safra, estabelece a obrigatoriedade dos Bancos em aplicarem os recursos oriundos da LCA no crédito rural. Com isso, o Governo Federal espera aumentar o volume de recursos destinados à agricultora em R$ 30 bilhões.

O secretário de Política Agrícola afirmou no lançamento do Plano Safra: “Esses R$ 30 bilhões (de aumento) chegarão ao produtor numa taxa de juros livre, mas inferior, muito inferior, do que o produtor hoje toma no mercado”. Questionado, ele estimou que os juros devem ficar ao redor de 12% a 13% nessa modalidade, dependendo do risco do produtor e do banco.

Contudo, por determinação legal (art. 14 da Lei 4.829/65 e art. 5 do DL 167/67), o Conselho Monetário Nacional tem o DEVER, a OBRIGAÇÃO de fixar os termos, prazos e condições das operações de crédito rural, dentre eles, os JUROS REMUNERATÓRIOS das diversas linhas de crédito.

Ao não fixar os juros, o CMN não cumpre seu dever legal, o que cria um vácuo legislativo, já que a Lei, hierarquicamente superior à Resolução, estabelece a obrigatoriedade da existência dos encargos remuneratórios, enquanto que a norma inferior, que vem para cumprir essa determinação, não fixa.

O entendimento dos Tribunais Superiores, já pacificado há bastante tempo, caminha neste mesmo sentido. Para o STJ, o Conselho Monetário Nacional tem o dever legal de fixar os juros a serem praticados, e, na omissão, entende-se que os juros praticados não podem superar o disposto na Lei de Usura (12% a.a.).

Todavia, no Plano Safra 2015/2016 não houve omissão total do CMN, uma vez que os juros remuneratórios dos recursos obrigatórios foram fixados na Resolução 4412 (em torno de 8,75% a.a., dependendo da linha de crédito e da condição do mutuário). Assim, as operações lastreadas em “recursos livres” para esta próxima safra deve seguir como teto a mesma fixação dada aos “recursos obrigatórios”, ou, no máximo, 12% ao ano.

Tobias Marini de Salles Luz – advogado (OAB/PR 43.834) na Lutero Pereira & Bornelli – advogados associados. Contato: (44) 9 9158-2437 (whatsapp)tobias@direitorural.com.brwww.pbadv.com.br

Notifique-me
Avise-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Navegação Rápida

O Direito Rural
sempre com você

Participe dos grupos de WhatsApp e Telegram
e receba nossos novos artigos e novidades!

Newsletter

Quer encontrar outro artigo?

Clique no botão abaixo e busque o artigo que desejar

NOSSOS ESPECIALISTAS

Profissionais experientes no Direito do Agronegócio, prontos para lhe atender

Dr. Lutero de Paiva Pereira

Advogado

Autor de várias obras no campo do direito do agronegócio. Parecerista e conferencista. Membro do Comite Europeu de Direito Rural.

Currículo Lattes.

Contato: lutero@pbadv.com.br

Dr. Wagner P. Bornelli

Advogado

Responsável pelo setor processual do escritório. Atua no ramo do agro, empresarial, civil e contratos.

Contato: wagner@pbadv.com.br

Dr. Paulo de Tarso R. Castro

Advogado

Atuação destacada na área processual civil, contratual, agrária e empresarial.

Contato: paulo@pbadv.com.br

Dr. Adriano R. Patussi

Advogado

Atuação destacada em direito do consumidor, civil, empresarial, tributário e processual civil.

Contato: pb@pbadv.com.br

Dr. Tobias M. de Salles Luz

Advogado

Atua na área do agronegócio, civil, contratual e consumidor. Fundador do blog Direito Rural.

Currículo Lattes.

Contato: tobias@pbadv.com.br

Dra. Rachel Vieira Pereira

Advogada

Atuação em direito bancário e civil.

Julio César Nascimento Bornelli

Julio César N. Bornelli

Estagiário

Estudante de Direito (UEM/PR). Gestor do blog Direito Rural.

Inscreva-se para receber nossos e-mails

Receba novos artigos e novidades também pelo WhatsApp e Telegram