Insegurança jurídica no Agro

A despeito de terem interesse constante e cada vez maior de investir seu capital no agronegócio, o que demonstra que o setor é sólido e os tomadores dos recursos, cumpridores dos seus contratos, os financiadores insistem na máxima de que a insegurança jurídica presente no setor torna os custos financeiros das operações elevados.

Asseveram ainda que o barateamanto das operações somente será possível quando a insegurança ceder espaço à segurança jurídica em suas transações.

Mas o que querem dizer com a expressão “insegurança jurídica”?

Insegurança jurídica seria o fato de que o inadimplemento ocasional de alguns contratos acontece?

Ora, em toda e qualquer atividade econômica, especialmente no agronegócio, que está cercado de incertezas por todos lados, o descumprimento tempestivo do contrato não pode ser afastado totalmente, de modo que é de se esperar que, nalgum momento, um ou outro devedor não pague a dívida no tempo convencionado, o que não quer dizer e nem significa que não pagará nunca.

Outrossim, insegurança jurídica seria o inconveniente de ter que, eventualmente, recorrer ao Judiciário para receber seus haveres?

Desde que essa ida não seja uma prática que alcance a totalidade dos contratos, nada de anormal que um pequeno, ou mesmo pequeniníssimo número deles tenha solução na via litigiosa.

Por final, insegurança jurídica seria o insucesso parcial do credor na cobrança judicial dos seus haveres?

Ora, se o pedido do credor é ilegal, a Justiça, até mesmo por questão de segurança jurídica, sob boa fundamentação da defesa, deve reduzir os números da pretensão aforada quando for o caso.

Em nosso escritório, já tivemos casos em que a dívida foi diminuída em mais de 50% do valor posto na petição inicial, enquanto execuções baseadas em CPR’s foram julgadas improcedentes, no primeiro caso em face da pretensão ilegal/exagerada do credor e, no segundo, em razão da imperfeição jurídica do próprio título.

Mudanças com a Lei do Agro

No entanto, considerando agora a nova Lei do Agro (Lei n. 13.986/2020), diploma legal que mudou significativamente certas relações jurídicas no agronegócio, e mudou para beneficiar o financiador do setor, não haverá mais espaço para o credor falar em insegurança jurídica em suas transações, obviamente, desde que contrate de forma correta, pois a Lei lhe outorgou um favorecimento jamais visto no direito brasileiro.

Afinal, além de dispor de títulos de crédito mais aperfeiçoados e de criar outros para as tratativas com o produtor rural (CCR, CPR, CCB, CIR, etc.), o credor ainda terá ao seu alcance todas as garantias pessoais e reais possíveis e passíveis de serem contratadas, de modo que o cumprimento da obrigação, em tese, está totalmente protegido.

Assim, em termos de garantias pessoais e reais, o credor pode cercar seu crédito com aval, com fundo garantidor solidário, com penhor, hipoteca, alienação fiduciária, patrimônio de afetação, etc.,

Relativamente ao patrimônio rural em afetação e à cédula imobiliária rural, recentemente publicamos um livro tratando sobre os temas (saiba mais).

Segurança jurídica no agro

Portanto, a segurança jurídica do credor chegou ao seu patamar maior e caso pretendam aumenta-la, a única alternativa seria sugerir ao Parlamento um projeto de lei que instituísse a prisão civil por dívida, o que, no entanto, seria manifestamente inconstitucional por agredir os termos do inciso LXVII, Art. 5º da Constituição Federal.

Assim, nestes novos tempos os credores do agro já podem começar a baratear os custos das operações que pactuam com os produtores rurais, pois a alegada insegurança jurídica chegou ao fim e a segurança jurídica, que antes era enorme, dobrou de tamanho e está em plena vigência.

Lutero de Paiva Pereira – Advogado especializado em direito do agronegócio em Maringá (PR). Contato: www.pbadv.com.br / pb@pbadv.com.br

Notifique-me
Avise-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Navegação Rápida

O Direito Rural
sempre com você

Participe dos grupos de WhatsApp e Telegram
e receba nossos novos artigos e novidades!

Newsletter

Quer encontrar outro artigo?

Clique no botão abaixo e busque o artigo que desejar

NOSSOS ESPECIALISTAS

Profissionais experientes no Direito do Agronegócio, prontos para lhe atender

Dr. Lutero de Paiva Pereira

Advogado

Autor de várias obras no campo do direito do agronegócio. Parecerista e conferencista. Membro do Comite Europeu de Direito Rural.

Currículo Lattes.

Contato: lutero@pbadv.com.br

Dr. Wagner P. Bornelli

Advogado

Responsável pelo setor processual do escritório. Atua no ramo do agro, empresarial, civil e contratos.

Contato: wagner@pbadv.com.br

Dr. Paulo de Tarso R. Castro

Advogado

Atuação destacada na área processual civil, contratual, agrária e empresarial.

Contato: paulo@pbadv.com.br

Dr. Adriano R. Patussi

Advogado

Atuação destacada em direito do consumidor, civil, empresarial, tributário e processual civil.

Contato: pb@pbadv.com.br

Dr. Tobias M. de Salles Luz

Advogado

Atua na área do agronegócio, civil, contratual e consumidor. Fundador do blog Direito Rural.

Currículo Lattes.

Contato: tobias@pbadv.com.br

Dra. Rachel Vieira Pereira

Advogada

Atuação em direito bancário e civil.

Julio César Nascimento Bornelli

Julio César N. Bornelli

Estagiário

Estudante de Direito (UEM/PR). Gestor do blog Direito Rural.

Inscreva-se para receber nossos e-mails

Receba novos artigos e novidades também pelo WhatsApp e Telegram