Contrato de Arrendamento Rural – o que você precisa saber

Arrendamento rural é o contrato pelo qual uma pessoa se obriga a ceder a outra, por tempo determinado ou não, o uso e gozo de imóvel rural, mediante pagamento de um preço. É o contrato que garante o uso da propriedade rural para aquele que deseja explorá-la, comprometendo-se o proprietário a não intervir e, mais ainda, garantir àquele o uso pelo tempo contratado.

Legalmente, o contrato de arrendamento rural não precisa seguir uma forma específica, pois a lei dá liberdade para as partes. Também por isso, admite-se até mesmo a forma verbal, conforme definido pelo art. 92 da Lei 4.504/64 – Estatuto da Terra, muito embora essa não seja, na prática, uma forma recomendada.

Embora seja um contrato mediante o qual se transfere a posse direta ao arrendatário, é certo que se trata de uma relação meramente obrigacional, sem imposição de ônus real ao imóvel e, assim, não incide o art. 1.647 do Código Civil, ou seja, pode ser celebrado por um dos cônjuges proprietários sem a necessidade de outorga uxória (consentimento do cônjuge), mesmo que seja celebrado por prazo maior do que 10 anos (REsp 1764873/PR).

Qual a diferença entre arrendamento rural e parceria rural?

A exploração agropecuária também pode ser realizada através de contrato de parceria, mas não devemos confundir a parceria com o arrendamento, pois são instrumentos muito diferentes, tanto em sua essência, quanto em suas consequências.

Na parceria, diferentemente do arrendamento, não há preço certo a ser pago ao proprietário da terra, mas sim participação nos frutos obtidos com a exploração, inclusive com quotas pré-estabelecidas pelo Estatuto da Terra (art. 96, VI).

Assim, a essência da parceria é a partilha dos ganhos, mas, muito mais importante, também dos riscos, de forma que tanto o proprietário, quanto o parceiro, ficam sujeitos aos riscos do empreendimento, como o caso fortuito e a força maior. Já no arrendamento, o preço deve ser pago independentemente de frustração no empreendimento, pois não há partilha de riscos.

Outra diferença muito marcante é que, enquanto no arrendamento rural o arrendatário tem direito de preferência em caso de alienação do imóvel (art. 92, § 3º do Estatuto da Terra), o mesmo já não ocorre com a parceria, posto que não houve tal previsão legal (RESP 264805-MG).

Em busca de uma menor tributação, muitos produtores adotam uma prática controversa, uma espécie de contrato de parceria “Frankenstein”, o qual dizem ser de parceria, mas se comporta como arrendamento, prevendo cláusulas como o pagamento de preço pré-definido e a exclusão dos riscos do negócio.

Existe um prazo mínimo para o arrendamento rural?

Outra característica marcante do arrendamento é a duração mínima exigida para o contrato. Segundo estabelecido no art. 13, II, “a” do Decreto 69.566/66, que regulamentou o Estatuto da Terra, o menor prazo permitido é de 03 anos.

O Superior Tribunal de Justiça tem decidido que esses prazos mínimos são “norma cogente” e, portanto, de observância obrigatória, não sendo permitido às partes estabelecer prazo inferior a 3 anos (REsp 1.455.709/SP).

Quanto a isso, entendemos que, por coerência, se o Estatuto da Terra não se aplica aos médios e grandes produtores rurais, mas apenas aos pequenos, então aqueles (médios e grandes) estariam livres para contratar arrendamentos rurais por prazos inferiores a 3 anos. Este é o posicionamento atual do STJ.

É possível o pagamento do arrendamento em produto?

A lei em vigor, hoje, não permite que o pagamento do arrendamento seja fixado em quantidade certa de produto. O art. 18, parágrafo único do Decreto 59.566/66 é claro ao estabelecer que o preço do arrendamento só pode ser ajustado em quantia fixa de dinheiro, não de produto.

Então, o PREÇO do arrendamento deve ser estabelecido em dinheiro, moeda corrente, mas o PAGAMENTO pode ser realizado em produto, em quantidade de frutos, ao preço corrente no mercado local.

A prática comercial de nossos dias, contudo, é fixar o preço do arrendamento em quantidade de produto, e o pagamento em produto ou em equivalente monetário, ou seja, o oposto.

Embora tal prática seja vedada expressamente pela norma, é fato que isto ocorre na prática e, por vezes, pode trazer sérios problemas, por exemplo, se o proprietário precisar executar o contrato para receber o pagamento do arrendamento. Nestes casos, a justiça entende que o título não é suficiente para sustentar o processo de execução (AgIn no AREsp 1000062/TO).

Entretanto, o Direito é espelho do fato social, mas há, sempre um descompasso entre a prática e o nascimento da normatização. Considerando que é prática corrente e desejo de ambas as partes (proprietário e arrendatário) que o pagamento do arrendamento seja feito em produto, é certo afirmar que, em alguns anos, a cláusula que fixa o preço em produto pode vir a ser considerada válida.

Por conta dessas peculiaridades, é muito importante que o contrato seja redigido e orientado por um advogado especialista na área, que fará um documento coerente e lógico.

O que é o direito de preferência do arrendatário?

Como destacamos acima, uma das grandes diferenças entre o arrendamento e a parceria rural é que, no arrendamento, o arrendatário tem direito de preferência em caso de alienação do imóvel.

O Estatuto da Terra, em seu art. 92, garante o direito de preferência do arrendatário no caso de alienação do imóvel arrendado, determinando a sua notificação ou, caso não seja notificado, possibilitando a sua adjudicação compulsória, mediante o depósito judicial do preço.

Conforme entendimento do Superior Tribunal de Justiça, o preço a ser depositado pelo arrendatário é aquele consignado na escritura pública de compra e venda registrada em cartório. Do registro da escritura também se inicia o prazo para o exercício do direito de preferência, nos termos do § 4°, art. 92 do mencionado Estatuto, o qual passa a contar da transcrição do ato de alienação no Registro de Imóveis.

Isto significa que o direito de preferência deverá ser exercido no prazo de 30 dias a contar da notificação que lhe comunica a intenção de venda ou, caso não seja notificado, no prazo de até 6 meses, contados da data do registro da alienação do imóvel (art. 92, §4º, Estatuto da Terra). E o valor, neste caso, será o valor disposto na escritura.

Além disso, se a venda ocorreu durante o prazo do arrendamento, mesmo que venha a ser registrada após a desocupação do imóvel pelo fim do prazo do arrendamento, o ex arrendatário poderá pleitear o exercício do direito de preferência, dado que o prazo se inicia com a transcrição do ato de alienação no Registro de Imóveis.

Além do direito de preferência de compra, o arrendatário também possui preferência para renovar o contrato de arrendamento em igualdade de condições com estranhos, ou seja, com terceiros que queiram arrendar o imóvel. Essa questão é muito importante e deve ser observada com cuidado entre as partes.

Segundo o Estatuto da Terra, em caso de renovação, o proprietário deverá notificar extrajudicialmente o arrendatário sobre as propostas existentes, no prazo de até 6 (seis) meses antes do vencimento do contrato, para que este possa exercer sua preferência. E não só isso: não se verificando a notificação extrajudicial, o contrato considera-se automaticamente renovado.

O Estatuto da terra se aplica à todos contratos?

Por fim, um ponto sensível e controvertido é se o Estatuto da Terra (Lei 4.504/64) se aplica a todos os contratos de arrendamento e parceria rural ou não.

Num primeiro olhar, e considerando que não há expressa limitação no próprio Estatuto, poder-se-ia afirmar que sim, que o Estatuto da Terra se aplica a todos os contratos de arrendamento e parceria. Mas será mesmo assim?

Como já dissemos, o fato social precede a norma, mas também sabemos que os Tribunais interpretam as leis. Deste modo, o trabalho jurídico é uma eterna luta para harmonizar o fato social com a norma e a sua interpretação.

E a interpretação que está se formando nos Tribunais Superiores é a de que o Estatuto da Terra se aplica exclusivamente a quem explore a terra pessoal e diretamente, como típico homem do campo (REsp 1447082/TO).

A prevalecer este entendimento, estariam excluídas das normas protetivas do Estatuto da Terra as empresas agrícolas que explorem terras de terceiros como arrendadores ou parceiros, perdendo, inclusive, o direito de preferência legal (ressalvado a preferência contratual, acaso existente).

Ao assim interpretar a norma, o Superior Tribunal de Justiça leva em conta que a grande empresa rural e o grande empresário rural não necessitariam das normas protetivas do Estatuto da Terra e que, para essas situações, prevaleceria o princípio da autonomia privada, ou seja, o velho princípio do pacta sunt servanda.

Se este for o entendimento a prevalecer, então também os Tribunais deverão, por coerência, aceitar que as partes, nestes casos, estarão livres para pactuar, por exemplo, que o arrendamento poderá ser pago em quantidade fixa de produto, dentre outras condições.

Existe um modelo de contrato?

Por fim, existe um modelo certo de contrato de arrendamento, um “copia e cola” capaz de prever todas as questões jurídicas e dar a segurança necessárias às partes?

Nem é preciso dizer que dar o imóvel em arrendamento é uma relação jurídica séria e complicada, ainda mais complexa quando o contrato utilizado para este fim não é redigido por um profissional do Direito que entenda os caminhos da legislação. A realidade tem demonstrado que esta economia geralmente gera gastos ainda maiores mais tarde, pois, apenas quando o proprietário precisar do contrato para proteger seu direito, descobrirá que suas cláusulas estão longe de proteger seu patrimônio.

Se você é proprietário rural e está com pressa para arrendar seu imóvel, aceitando um contrato feito às pressas e de qualquer forma, então a internet é o melhor lugar para garimpar estes modelos. Porém, se você, ao invés de arrendar com pressa, quer arrendar com segurança jurídica e evitar maiores dores de cabeça no futuro, fuja dos modelos de internet e procure um bom advogado para redigir seu contrato.

Até porque, como visto acima, com as recentes interpretações dos Tribunais e utilizando-se das modernas práticas legislativas, novas e exclusivas cláusulas podem constar dos contratos de arrendamento para dar melhor proteção ao patrimônio de quem arrenda, bem como assegurar o direito do arrendatário.

Pense nisto: para preservar e até mesmo aumentar seu patrimônio, cuide muito bem de suas relações jurídicas.

Wagner Pereira Bornelli – Advogado especializado em direito do agronegócio e empresarial em Maringá (PR). Contato: www.pbadv.com.br / [email protected]

Tobias Marini de Salles Luz – advogado na Lutero Pereira & Bornelli – advogados associados. Contato: (44)91582437 (whatsapp)[email protected]www.pbadv.com.br

Notifique-me
Avise-me de
guest
2 Comentários
mais novos
mais antigos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments

Navegação Rápida

O Direito Rural
sempre com você

Participe dos grupos de WhatsApp e Telegram
e receba nossos novos artigos e novidades!

Newsletter

Quer encontrar outro artigo?

Clique no botão abaixo e busque o artigo que desejar

NOSSOS ESPECIALISTAS

Profissionais experientes no Direito do Agronegócio, prontos para lhe atender

Dr. Lutero de Paiva Pereira

Dr. Lutero de Paiva Pereira

Advogado

Autor de várias obras no campo do direito do agronegócio. Parecerista e conferencista. Membro do Comite Europeu de Direito Rural.

Currículo Lattes.

Contato: [email protected]

Dr. Wagner Pereira Bornelli

Dr. Wagner P. Bornelli

Advogado

Responsável pelo setor processual do escritório. Atua no ramo do agro, empresarial, civil e contratos.

Contato: [email protected]

dr-paulo

Dr. Paulo de Tarso R. Castro

Advogado

Atuação destacada na área processual civil, contratual, agrária e empresarial.

Contato: [email protected]

dr-adriano

Dr. Adriano R. Patussi

Advogado

Atuação destacada em direito do consumidor, civil, empresarial, tributário e processual civil.

Contato: [email protected]

Dr. Tobias Marini de Salles Luz

Dr. Tobias M. de Salles Luz

Advogado

Atua na área do agronegócio, civil, contratual e consumidor. Fundador do blog Direito Rural.

Currículo Lattes.

Contato: [email protected]

IMG_8034

Dra. Rachel Vieira Pereira

Advogada

Atuação em direito bancário e civil.

Julio César Nascimento Bornelli

Julio César N. Bornelli

Estagiário

Estudante de Direito (UEM/PR). Gestor do blog Direito Rural.

O Direito Rural
sempre com você

Participe dos grupos de WhatsApp e Telegram
e receba nossos novos artigos e novidades!

Newsletter