Colheita de Soja e o Seguro Rural – Cuidados Básicos

Navegação rápida

Com a proximidade da colheita da safra de soja, o produtor que contratou o seguro rural e que suspeita que poderá ter algumas perdas, deverá ficar atento para que seu eventual direito de indenização não escoe por água abaixo junto com as chuvas de verão. A seguir, alguns cuidados básicos que todo segurado pode (e deve) tomar:– Não esqueça de informar a Seguradora sobre o início da colheita, e aguardar sua autorização. É um cuidado simples que pode evitar muita dor de cabeça. Embora em alguns casos essa comunicação seja desnecessária (veja aqui), a recomendação é sempre dar ciência à Seguradora.

– Tome cuidado ao assinar os laudos de vistoria. Confirme todos os dados e principalmente as informações adicionais descritas pelo vistoriador. Se tem algo que não concorda, escreva com sua própria letra no laudo: “Não concordo com ….” ou “Informo ainda a ocorrência de ….”. Se tiver dúvidas, consulte um advogado. Guarde sempre sua via.

– Se a previsão é de perdas, produza laudos agronômicos antes da colheita. Bata fotos, peça para o agrônomo descrever o evento danoso em um laudo e assinar.

– Guarde sempre os recibos, romaneios e notas fiscais de transporte de produção, assim como as notas fiscais dos insumos agrícolas aplicados na lavoura e, se possível, provas de sua aplicação.

– Uma opção bastante útil para quem tem certeza de perdas é a realização de uma ação de produção antecipada de provas, antes ou durante da colheita. Consulte seu advogado sobre a possibilidade e a utilidade desse mecanismo.

– Lembre-se: o prazo de prescrição para pleitear judicialmente a indenização de seguro rural é de 1 (um) ano a contar da negativa da seguradora.

– Na dúvida, consulte sempre seu advogado.

Tobias Marini de Salles Luz – advogado na Lutero Pereira & Bornelli – advogados associados. Contato: [email protected] / www.pbadv.com.br

Deixe uma resposta

Navegação rápida