Câmara derruba obrigação de informar planejamento tributário à Receita Federal

Enfim, uma vitória à ser comemorada pelos contribuintes. Os artigos da Medida Provisória 685/2015 que obrigavam os contribuintes a informar a Receita Federal sobre seus planejamentos tributários, o que atentava contra vários princípios básicos do direito, como já mostramos aqui, foram retirados do texto original. Uma vitória dos contribuintes, onde não podemos de deixar de prestar agradecimento aos colegas advogados maringaenses do IDTM (Instituto de Direito Tributário de Maringá), em especial Dr. Raimundo Vermelho e Dra. Rita Valim, que contribuíram para essa vitória.

Marcelo Galli (Conjur): O Plenário da Câmara aprovou nesta terça-feira (3/11) a Medida Provisória 685/2015, mas cassou os artigos que obrigavam contribuintes a informar a Receita Federal sobre seus planejamentos tributários. O movimento foi encarado como uma derrota política do governo, mas comemorado por tributaristas.

A Câmara decidiu converter a MP em lei, mas votou os artigos 7º a 13 em destaque. Eles, além de obrigar o contribuinte a informar ao Fisco seus planejamentos fiscais, estabelecem que a prestação de informações erradas ou incompletas será tratada como “omissão dolosa”.

Tributaristas que estudam a MP afirmam que ela criou, com essa regra, a “presunção do dolo”, o que é inconstitucional. Isso porque, como a MP fala em “omissão dolosa”, sujeita os contribuintes a uma multa de 150% sobre o valor do tributo devido.

Depois das críticas de tributaristas, o texto foi alterado pelo relator da matéria na comissão mista, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). A primeira parte da MP, que foi mantida pelos deputados, permite ao contribuinte pagar dívidas fiscais em litígio com desconto desde que ele desista do processo. Podem ser inscritos débitos vencidos até 30 de junho deste ano.

Para quitar o valor restante do débito, poderão ser usados créditos de prejuízos fiscais e da base de cálculo negativa da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, apurados até 31 de dezembro de 2013 e declarados até 30 de junho de 2015.

“O governo sofreu mais uma derrota na Câmara, o que por certo trará reflexos políticos”, analisa o consultor tributário Dalton Miranda, do Trench, Rossi e Watanabe. “O importante é que a votação evitou que o STF seja provocado a se manifestar sobre planejamento tributário, tema muito contestado por juristas e contribuintes.”

Na tarde desta terça, em audiência pública sobre o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara, a MP recebeu novas críticas. Para Raimundo Prado Vermelho, presidente do Instituto de Direito Tributário do Paraná, a parte vetada pelos deputados diz que, em princípio, “todos são criminosos e quem não for que prove sua inocência”.

O advogado Marcelo Knopfelmacher, presidente do Movimento de Defesa da Advocacia (MDA), elogiou a ideia sugerida por Jereissati de criação de uma lista, pela Receita, de práticas que seriam consideradas planejamento fiscal abusivo. “Seria uma lista negra do planejamento fiscal, mas feita pelo Fisco. Não podemos dar poderes absolutos à Receita.”

Fonte: Revista Consultor Jurídico, 3 de novembro de 2015

Compartilhe

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *